MEU TESTEMUNHO PESSOAL SOBRE A PAZ DE JESUS – PARTE II

Como falei na edição anterior,tenho meu testemunho pessoal sobre a Paz de Jesus e amparado nele desejo neste mês escrever um pouco mais sobre esta Paz.Claro que ao falar em Paz de Jesus poderemos pensar: “Eu não tenho gabarito pra tanto”.Mas, enfim, muitos podem escrever tratados teológicos, espirituais e monumentais sobre a Paz que Jesus confere; creio que não consigo me abster de comentar um pouco porque Jesus é o Príncipe da Paz (cf. Is 9,5) e a Paz que Ele nos dá o mundo não dá (cf.Jo 14,27)… Pronto, já estou entrando em textos bíblicos, inevitável! Mas o fato é que a Paz de Jesus me impactou naquela noite, naquela reunião doméstica, naquele humilde grupo despretensioso e anônimo. À porta da casa fui recebido por um rapaz alto que usava uma camiseta branca sem nenhuma estampa.Era comum e simpático, o sorriso acolhedor e com um gesto muito espontâneo, sem nunca ter-me visto, abraçou-me e disse:“A PAZ DE JESUS!”. Naquele momento meu mundo girou, pois de repente algo novo entrou em meu coração e não veio preencher nenhuma carência humana familiar, escolar, afetiva, profissional e mesmo religiosa, veio apenas me dar algo que Ele já havia reservado para mim quando disse: “Minha paz vos dou”.

Ninguém jamais me havia saudado daquela maneira, não era um cumprimento apenas ou um chavão de boas vindas de uma equipe de pastoral de acolhida, era mais, muito mais era a comunicação de algo simples e mais poderosos que a criação do mundo, era a Paz de Jesus. Era a mesma saudação que saiu da boca Dele, quando disse:“A paz esteja convosco” (Jo 20,19.21.26).

A paz de Jesus é aquela para os que estão perto e para os que estão longe (cf. Is57,19;Ef 2,17); é tão importante que hoje, passados 32 anos daquela saudação ainda posso me emocionar e me encantar quando me lembro daquele instante, mas também quando eu mesmo posso comunicar a alguém esta mesma saudação.

Muita gente, no afã dec omunicar o melhor de Deus aos outros, ou animados por novidades aparentemente de força sobrenatural, e mesmo ainda tentando falar de seus carismas pessoais que pensam ter, tem inventado várias formas de saudar.É bonito quando encontramos cristãos que se saúdam com um louvor a Jesus: “Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo…” – ou um louvor à Maria Santíssima: “Salve Maria”; há outros que dizem:“a Paz de Deus”, “a Paz de Cristo”, “a Paz do Senhor” ou simplesmente:“a Paz”;também há os que gostam de falar:“Shalom”, ou “Paz e Fogo”, “Paz e Bem”, “Paz e Luz”, e por aí vai.Alguns acrescentam à saudação a Paz de Jesus outras invocações ou desejos como o Amor de Maria, as Bênçãos de São José, a Proteção de São Miguel, e outras formas criativas. Mas eu continuo somente com a Paz de Jesus,não porque rejeita a forma de outros ou porque ignore a saudação de alguém, nem tão pouco porque eu estou apegado afetivamente a esta forma de saudar que já demonstrei ter uma memória importante em minha história. Eu gosto da paz de Jesus porque creio que nisto todo o restante está embutido, sim, note bem, vamos avaliar as saudações que mencionei, mas isto ficará para a próxima edição de nosso informativo, não perca.

Na paz de Jesus,
Sandro F. Peres

Leave a Reply